Carta aberta para o meu futuro

Nove longos meses se passaram desde a última vez que eu produzi conteúdo do meu projeto sobre redes sociais. Essa pausa foi super necessária para que eu pudesse me reconectar. Eu vinha de um ritmo enlouquecedor, atendendo no office, no meu auge, nove clientes. Enquanto eu trabalhava com uma função específica na agência, dava conta da jornada dupla. Mas, em junho de 2019, fui convidada para assumir a gestão do departamento de marketing digital e com ele outros 35 clientes. Em dias mais tranquilos, eu falava com no mínimo 20 pessoas, sobre 20 assuntos diferentes, sobre 20 contas ou projetos… Além das 8h de trabalho na agência, dedicava mais 6h no office e o tempo que me restava eu só sabia dormir.

Os meses foram se passando e na virada do ano decidi me dedicar exclusivamente a agência, deixando de lado os clientes do office. Primeiro, que existe uma grande dificuldade no pequeno empreendedor em enxergar o trabalho de marketing como uma peça fundamental. A facilidade em aprender e executar algumas estratégias, os empoderam de uma forma com que o nosso trabalho seja o primeiro a ser cortado, trocado, ajustado… Enfim, já não fazia mais sentido pra mim, manter a carteira que eu tinha, então, optei por ficar com a renda fixa. Porém, com um projeto super especial em mente: a minha escola.

Em janeiro de 2020, comecei a estudar a formalização desse sonho e semanas depois, comprei passagens, hospedagem e ingressos para três super eventos: RD Summit, Fire e eSummit. Estava tão empolgada por ter passado um tempo maior comigo e finalmente encontrei algo que iria me motivar de uma forma diferente pelos próximos anos. Mas, em março, tudo mudou. Com o isolamento devido a pandemia do COVID-19, os eventos foram cancelados e o trabalho passou a ser remoto. Mais tempo sem sair de casa, mais tempo pra planejar, trabalhar, estudar… Mas, quem disse que eu quero?

Acho absolutamente normal não querer fazer nada e tá tudo bem. Às vezes, tenho esse vazio. Dias em que choro de rir e logo em seguida choro de desespero, pensando: até quando? Nesse momento, devo discordar de Einstein, pois no meu mundo, não são as perguntas e sim as respostas que me movem. No caso da pandemia, não temos as respostas. Meu auto conhecimento é maduro para identificar o quanto isso é perigoso pra mim. Pode ser a porta de entrada pra uma ansiedade e deprê, algo muito mais sério do que oscilação de humor.

É um peso passar por isso sozinha. Nesses nove meses sem produzir conteúdo, o canal registrou 200 novos inscritos e o blog mais de 35 mil page views.

views-youtube-camila-carvalho

visitas-blog-camila-carvalho

Essa é uma carta aberta para o meu futuro, assim eu nunca vou me esquecer que não estou sozinha. #Gratidão #EuVoltei

Gostou do post? Compartilhe!

camila-carvalho-avatar (1)

💁‍♀️  Jornalista, especialista em marketing. Falo sobre redes sociais e uso consciente da tecnologia. 🧠   

NEWSLETTER

EDITORIAS

Fica de 👀  no seu e-mail que eu tô chegando com uma news lindinha. Me tira do SPAM, hein? 😇